sexta-feira, 11 de junho de 2010

Cartão de Visitas

video

"Hei, o seu coração é um músculo do tamanho de um punho.

...mas a ditadura autoritária do ódio - continua a fazer tantas vitimas sexuais, que tudo que eu posso fazer por nós dois é me libertar.

…É, será que eu posso só te dar - meu cartão de visita?!

…É que o amor ao mesmo tempo que nutre, deixa-nos fracos, agonizantes e cansados. É que o amor é um movimento de dar e receber num caminho de duas vias, um movimento de contração e dilatação, fluxo e refluxo.

O grande problema entre os amantes é quando há discrepância entre um movimento e outro. Se dou demais e não recebo, torno-me seco, triste e me canso. Se recebo demais e não dou nada, me torno um filho-da-puta inchado e egoísta. E no final de contas os amantes sempre apontam o dedo na cara uns dos outros, exigindo igualdade entre aquilo que dão e aquilo que querem receber.

Eu não quero saber de nada disso.
Eu quero todas as vias possíveis.

Me doar sem esperar que ninguém me responda da mesma forma, receber sem que ninguém exija de mim uma reação com a mesma força da sua ação. Eu quero é enfiar a cabeça e confundir aquilo que eu faço com aquilo que me é feito, sem distinção. Eu quero é amor e afirmação, e não o ego que espera pra poder agir. Se ninguém me escreve, eu cá estou me afirmando e me derramando ainda que outras pessoas estejam dormindo, ou trepando, ou na estação de metrô com a cabeça na lua.

Pra mim bastam as aberturas: o conteúdo e a forma de amar é a gente que determina. Eu quero é a paixão que me permite o extravasamento da mesma forma que o recolhimento, sem que isso signifique uma diferença na intensidade.

Eu quero é poder me calar e explorar outras formas além do verbo sem que isso signifique falta de diálogo. Eu quero é poder tirar a roupa e pisar em cima de raiva e desespero, sem me envergonhar da minha insensatez e insanidade. Eu quero é jogar na fogueira toda norma, toda teoria estéril e viver aos braços alheios. Jogado! A máxima consciência do outro, sair de mim e pairar leve no espaço que comporta todos os meus amores, eu que me apaixono todos os dias, pelos mesmos, pelos outros.

Não exigir nada de ninguém. Quero é comer as vírgulas e escrever e falar como as coisas me aparecem sem filtro sem máscaras sem medo. Se digo,”serei fiel a você”, estou demarcando um espaço silencioso além do alcance de outros desejos. Porque ninguém pode legislar o amor, ele não pode receber ordens ou ser intimado para o serviço.

O amor pertence a si mesmo, surdo a suplícios e imóvel à violência. E não algo que você possa negociar. É que o amor deveria ser uma carta de alforria ao invés de mais um contrato que nos costura exclusivamente ao outro e ao mundo do outro. Estamos amarrados um ao outro numa linha que criamos e não numa linha gasta e falida que a convenção nos concedeu, e isso é tão maior, porque além de amar a pessoa amada, amo também o amor. De que adianta amar um outro, se odeio, se detesto a forma com que o nosso amor é conduzido e enquadrado?

Quero viver dias onde eu me sinta tão pleno e tão completo eternizando dentro da minha cabeça todos os instantes, todos os ângulos que meus amores e a minha visão me permitirem. E que cada noite, ainda que mortos de sono ou de tesão, ainda que em movimentos bruscos ou na calmaria dos corpos e mentes já cansados, cada noite dessas eu me derreta pra depois me recolher maior, mais vivo e mais forte, mesmo sem demonstrar, mesmo sem ser percebido.

E saindo de casa com as olheiras fundas e um sorriso incontrolável no rosto. Na minha cabeça as velhinhas na rua com seus poodles e os comerciantes abrindo suas lojas se sentirão agredidos pelo meu transbordante sentimento cheirando e irradiando a violência que acompanha toda paixão. Violência no sentido mais elementar do termo, de não sair ileso, de estar pra sempre marcado, de ter sido fortemente violado. Ir andando com o sangue correndo apressado pelas minhas veias, meu coração se contraindo e dilatando numa velocidade nova e imensa. Daí as vontades de dar voltas correndo pelo quarteirão, igualar a velocidade do meu corpo com a
velocidade que corre aqui dentro de mim. O que vai ser agora?

Eu não sou daqueles que tem respostas prontas, tão objetivas assim, mas procuro uma intensidade que só é suprida quando puder pensar sem medo que “mañana es otro día”, sem todo aquele peso de responsabilidade esmagando nossas cabeças e nossas possibilidades. Ainda temos tanto… sinto que existem incontáveis potências a serem convertidas em atos, e a chama que eu tanto preciso pra me manter aquecido até que alcance o desejado estado de fervura. O estado radical da fervura, que se estende à todas as esferas da vida, desde a violência de uma mordida no pescoço, até o ódio ativo e construtivo à esse mundo insano e arruinado.

É que me sinto vivo de verdade quando posso desejar sem limites.
E sentir-se vivo de verdade é o passo crucial ainda que não se saiba o caminho…

A partir daqui e até o infinito possível..."



Coletivo Você Tem Que Desistir

http://vocetemquedesistir.noblogs.org/

Um comentário:

  1. Pessoal obrigado pelas gentis palavras por lá no VENE mas eu fiz a cagada de apagar mas valeu , estou sempre por aqui lendo os textos que diga-se de passagem são fodidos , grande abraço a todos .

    ResponderExcluir